SEMANA CÁRITAS 2017

Decorreu de 12 a 19 de Março a Semana Cáritas que culminou com a celebração do Dia Cáritas.

No decorrer desta semana, entre outras actividades, efectuou-se o peditório público, cuja recolha se destina a apoiar as pessoas mais carenciadas.

Na Diocese de Aveiro, este peditório público rendeu, segundo números provisórios, 5.276,00 euros. Desta verba, deduzidas as despesas da campanha, 10% serão enviados para a Cáritas Portuguesa, 45% serão entregues aos Grupos Paroquiais que participaram no peditório e 45% serão administrados pela Cáritas Diocesana.

Em consequência de uma campanha de desinformação sensacionalista promovida por alguns órgãos de comunicação social, que visava a gestão da Cáritas Diocesana de Lisboa, os resultados dos valores apurados na área da Diocese de Aveiro sofreram uma quebra da ordem dos 41,8% em relação a 2016. Só na cidade de Aveiro, o valor recebido foi sofreu uma diminuição de 77% em relação ao ano anterior.

Importa manifestar o nosso agradecimento aos que generosamente contribuíram neste peditório, continuando a confiar na Cáritas e no apoio que esta presta aos sectores mais desprotegidos da população.

Cabe realçar a dedicação dos voluntários que, numa situação particularmente hostil, se colocaram, como sempre o têm feito, ao serviço dos que precisam, apesar dos comentários e até ofensas de que os próprios e mesmo a instituição foram alvo.

Sendo certo que a diminuição das receitas em muito dificulta a ação da Cáritas Diocesana junto dos mais necessitados, continuamos firmes no serviço aos que mais precisam, com o rigor e a transparência da gestão das verbas colocadas à disposição da Instituição, para a prossecução da sua Missão.

A todos quantos estiveram envolvidos quero apresentar a minha gratidão e referir o apreço que a todos dedico pela sua coragem e espírito de missão nestes momentos tão conturbados e difíceis que estamos a atravessar.

BEM HAJAM!

O Presidente da Cáritas Diocesana de Aveiro
José Ferreira Alves

 

Nova Direção da Cáritas Diocesana de Aveiro

Foi dada posse, a 2 de janeiro de 2017, por Dom António Moiteiro Ramos, à nova direção da Cáritas, para o próximo quadriénio.

A nova Direção foi nomeada por Decreto do Reverendíssimo Bispo de Aveiro (PDF), datado de 22 de dezembro de 2016.

 

Diácono José Ferreira Alves (Presidente)

Artur Jorge Leite Figueiredo de Almeida (Vice Presidente)

Francisco Manuel do Vale Santos (Secretário)

Pompeu Rodrigues Martinho (Tesoureiro)

Manuel Almeida Domingos Júnior (Vogal)

Manuel Fernando da Costa Leonardo (Vogal)

Ricardo Vara Cavaleiro (Vogal)

Padre João Gonçalves (Assistente Eclesiástico)

Na tomada de posse, Dom António Moiteiro manifestou o apreço pelo trabalho desenvolvido pela Direção cessante e salientou o papel e missão da Cáritas Diocesana de Aveiro, enquanto rosto visível da Igreja Diocesana, no caminho da Misericórdia e da Caridade junto dos mais desfavorecidos e dos que sofrem.

 

Newsletter: Novembro 2016

A Cáritas Diocesana de Aveiro coloca à disposição de toda a comunidade a 21ª edição (PDF) da sua Newsletter.

Desta forma procuramos dar a conhecer as atividades levadas a cabo pela instituição, bem como todas as iniciativas solidárias das quais beneficia. 

O Presidente da Direção
José F. Alves

[ … ]
 

MENSAGEM DE SOLIDARIEDADE PARA COM AS VÍTIMAS DOS INCÊNDIOS

Chega o verão, estação do ano por natureza quente, convidativo ao descanso e ao lazer, cujas temperaturas da época as nossas gentes suportariam pacífica e naturalmente se não fossem os incêndios que surpreendentemente deflagram um pouco por toda a parte, instaurando a intranquilidade e deixando um rasto de destruição e de dor humana.

Este ano, têm sido vários os incêndios florestais que ameaçaram vidas e bens, nomeadamente no nosso distrito de Aveiro. As chamas destruíram uma imensa área florestal em Águeda, Anadia e outras zonas da Diocese.

A floresta, que é uma importante fonte de riqueza não só ambiental, pois é um bem fundamental para o equilíbrio da natureza mas também um importante capítulo da nossa economia, com os incêndios torna-se um imenso manto negro e um amontoado de cinzas e escombros, constituindo graves prejuízos ambientais, sociais e económicos.

É conhecido de todos que a dimensão florestal tem uma distribuição geográfica muito marcada, sendo que a grande área se situa no interior, ‘convivendo’ com uma população desertificada, em contraste com o litoral. O abandono de extensas áreas florestais, associadas a certas situações atmosféricas ou a ações negligentes e criminosas, são efetivamente causas do número de incêndios. Águeda é exemplo deste calamitoso ‘cenário’. Aquando da minha visita pastoral, pude constatar a desertificação que assola estas localidades. Como podem estas populações investir na prevenção e combater o fogo florestal, se as circunstâncias e toda a envolvência não lhes são favorável?

Nestes momentos de angústia e de catástrofe, a todos aqueles que foram afetados, que viram os seus bens devorados pelas chamas, para muitos o fruto do trabalho de toda uma vida, expresso a minha solidariedade e uma palavra de esperança cristã. Uma palavra de apreço a todos os bombeiros, “soldados da paz”, que, dedicada e abnegadamente, lutam contra a violência das chamas que consomem bens naturais e materiais, pondo em risco as suas próprias vidas. Uma palavra de apreço e justiça é devida à Proteção civil e Autarquias, sejam elas Câmaras Municipais, Juntas de Freguesia ou Associações civis, que por todos os meios se colocam ao serviço das populações. Também a minha saudação amiga e estima a todos os escuteiros, tendo à frente a Junta Regional, que prontamente apoiaram os bombeiros, quer nos quartéis quer no terreno, e diligentemente auxiliaram as populações, sem esquecer a preciosa entreajuda dos populares.

A Igreja não é indiferente ao drama das nossas populações. Ontem mesmo houve uma reunião onde estiveram representantes da Cáritas diocesana, das paróquias de Águeda, da Santa Casa de Misericórdia e das Conferências vicentinas para se coordenarem entre si na ajuda a prestar às populações afetadas. De entre algumas medidas já possíveis, desejo salientar: – Deslocação ao terreno de uma equipa de apoio constituída por duas psicólogas clínicas e uma assistente social; Realojamento temporário na Santa Casa da Misericórdia onde há disponibilidade para 20 pessoas; Colaborar na reconstrução das habitações destruídas ou danificadas; Apoiar ao nível de roupas e géneros alimentícios; Fornecimento de refeições por parte da Santa Casa da Misericórdia e do Centro Social Paroquial da Borralha; Apoio espiritual por parte dos nossos párocos.

Todos sabemos o quanto é doloroso, em breves instantes, ver esvaírem-se os bens e sentir-se privado do que tantas vezes é fonte de subsistência! Que as necessidades que forem possíveis colmatar sejam supridas com a ajuda de entidades públicas e privadas e pela mão de gente benfazeja. Não podemos ficar indiferentes à dor alheia e à calamidade que a todos afeta e compromete.

O meu fraterno afeto.

____________

Aveiro, 11 de agosto de 2016

António Manuel Moiteiro Ramos, Bispo

 

Apoio à Madeira

 
AddThis Social Bookmark Button