alt

  alt      

  alt       alt

  alt       alt

  alt



COMUNIDADE TERAPÊUTICA ENCONTRO


A Cáritas Diocesana de Coimbra criou, há 20 anos, a COMUNIDADE TERAPÊUTICA ENCONTRO, que é hoje um espaço capaz de afetar positivamente quem a visita, quem nela habita e quem nela trabalha.




Na Comunidade ENCONTRO é possível recuperar o otimismo e a alegria de viver, sentir-se útil e responsável, por si e pelos outros, numa dinâmica de interação e entreajuda, cuidando o bem-estar do corpo e do espírito, de forma a alcançar a motivação e a força anímica para uma vida sem drogas e de realização pessoal, como base e ponto de partida para a autonomia e o sucesso na (re)integração social.


Connosco, as pessoas podem contar com o suporte e apoio de uma equipa técnica pluridisciplinar, onde interagem profissionais das áreas da medicina/psiquiatria, enfermagem, psicologia clínica e da saúde, serviço social e sociologia.

E, porque acreditamos firmemente na dignidade e valor do ser humano, na COMUNIDADE TERAPÊUTICA ENCONTRO estamos dispostos a investir todo o nosso ser e saber em trabalhar com ele, por um lado os problemas, fragilidades e limitações que os vulnerabilizam, mas, por outro descobrir, desenvolver e reforçar os seus recursos e capacidades que são imensas.

O objetivo geral do programa da Comunidade Terapêutica “Encontro” é proporcionar um ambiente livre de drogas e promover o desenvolvimento pessoal e o equilíbrio biológico, psíquico e emocional dos seus utentes, com vista a tornar bem sucedida a sua (re) integração na vida e na sociedade.


DESTINATÁRIOS

A COMUNIDADE TERAPÊUTICA ENCONTRO recebe toxicodependentes, com idade superior a 18 anos, em regime residencial de internamento prolongado.

A admissão de utentes do sexo feminino está sujeita a avaliação prévia, dependendo de condicionantes a avaliar casuisticamente.


MODELO TERAPÊUTICO

Numa perspetiva holística que compreende as vertentes biológica, psicoafectiva, social e transcendental da pessoa humana e através da sua integração num ambiente estruturado de vida comunitária, de uma atenção personalizada e elaboração de um plano individual de tratamento, o modelo da COMUNIDADE TERAPÊUTICA ENCONTRO da CARITAS DIOCESANA DE COIMBRA integra elementos dos seguintes modelos terapêuticos:


MODELO HUMANISTA com base no desenvolvimento integral da pessoa humana, dando especial importância à sua dignidade, aspirações e capacidades, enquanto centro e fim de toda a ação, e mediante a construção de valores, estilos  e alternativas de vida;


MODELO HIERÁRQUICO, na medida em que cada utente ocupa um lugar determinado na dinâmica e no grupo, onde exerce atividades e funções com níveis de responsabilidade crescente, mediante normas de funcionamento bem definidas, com vista ao desenvolvimento da autoestima, da autoconfiança e da autonomia;


MODELO DE AUTO-AJUDA, assente em princípios fundamentais, como: abstinência total de substâncias psicoativas, mudança de estilo e filosofia de vida, responsabilização pessoal e terapia da realidade quotidiana.


Em termos práticos, a Comunidade Terapêutica desenvolve e assegura uma dinâmica comunitária, com base no plano geral de funcionamento da unidade, exposto em local bem visível e de fácil acesso, no âmbito da qual as pessoas vivem e funcionam juntas, vinte e quatro horas por dia, comunicando e interagindo, mediante a execução de tarefas e funções de responsabilidade crescente, seja as de carácter doméstico, como manutenção e limpeza das instalações, serviço de cozinha e lavandaria, como as de horticultura, jardinagem, trabalhos oficinais, espaços lúdicos e criativos, desporto, ginástica, passeios, etc.


A equipa técnica promove sessões terapêuticas individuais e em grupo, sendo o tipo de abordagem preferencial a da Psicologia Positiva e Centrada na Pessoa, com vista ao desenvolvimento pessoal e autonomia.

A vida em comunidade é regulamentada por normas e regras de convivência, conduta e funcionamento, definidas no Regulamento Interno, a que todos têm acesso e que são amplamente explicadas, discutidas e partilhadas.


Unidade licenciada pelo Ministério da Saúde, no âmbito de Convenção com o SICAD