alt

  alt      

  alt       alt

  alt       alt

  alt


CENTRO COMUNITÁRIO DE INSERÇÃO


No Centro Comunitário de Inserção, a funcionar na baixa de Coimbra, pretendemos, em primeiro lugar, criar condições para a plena integração social, familiar e profissional das mulheres que o frequentam, em risco social acrescido. Isto exige um trabalho muito intenso de intervenção individualizada e grupal, em ordem ao reforço da auto-estima e à aquisição e treino de competências sociais e pessoais.


Entre as competências sociais tem particular importância a aprendizagem e desenvolvimento de uma formação profissional adequada, que possibilite o acesso a uma actividade remunerada. Aliás, a “problemática profissional” é central a todo o trabalho desenvolvido com estas mulheres, quer por ser o mecanismo normal de inserção social de uma pessoa, quer pelas implicações que tem na qualidade de vida ao nível da habitação, da situação dos filhos, da alimentação... Atente-se no facto de que se trata de mulheres com níveis extremamente baixos de instrução escolar e de qualificação profissional.


Seguindo o pensamento anterior, uma parte importante da actividade do Centro é também no âmbito da articulação com empresas e serviços, em ordem ao processo de criação de empregos.

 

Às utentes do Centro é assegurado um tratamento urbano, com integral respeito pela honra, dignidade pessoal, e intimidade da vida privada, particularmente no que se refere à confidencialidade no tratamento de dados pessoais constantes do processo individual.

 

A Equipa integra profissionais (técnicos de serviço social, psicólogos, auxiliares...) e voluntários (por exemplo, na área do ensino, temos o apoio de um conjunto de professoras reformadas ligadas à Associação Aposenior). Para muitas das acções (por exemplo, no domínio da saúde) são convidadas pessoas especializadas. 

O Centro Comunitário de Inserção funciona numa casa restaurada pela Câmara Municipal, especificamente para esta finalidade.


HISTORIAL:

O trabalho mais sistemático com mulheres em risco social agravado, ou mesmo na prática prostitucional, iniciou-se na década de 80, nomeadamente com o atendimento localizado na sede da Junta de Freguesia de S. Bartolomeu, em Coimbra.

Em 1991 a Cáritas deu início a um Projecto de Luta Contra a Pobreza, na cidade, que durou até 1999, especificamente dirigido para este extracto populacional, que teve três vertentes fundamentais:- atendimento
- apoio sociofamiliar
- formação (escolar, sanitária, pré-profissional...)...
...estando cada uma destas vertentes localizada num espaço geográfico diferente, desde logo por razões ligadas à própria natureza do trabalho desenvolvido.


Deste projecto nasceram outras respostas, nomeadamente a vinda para Coimbra das Irmãs Adoradoras, "especializadas" em trabalho com mulheres em risco e com prostitutas, que orientaram a Casa de Nossa Senhora da Paz e que hoje desenvolvem uma acção autónoma da congregação no distrito de Coimbra.


Foi também deste trabalho que nasceu a Empresa de Inserção "Azul e Branco", que se mantém hoje como Lavandaria Mondego, prestando serviços de lavandaria e arranjo de roupas. 


Outro fruto deste trabalho é a Comunidade de Inserção "Renascer".


Festa de aniversário