alt

  alt      

  alt       alt

  alt       alt

  alt


CAS - CENTRO DE APOIO SOCIAL


O Centro de Apoio Social (C.A.S.) apoia indivíduos e agregados familiares que se encontram numa situação inesperada de carência económica e que não disponham de recursos financeiros suficientes para fazer face às suas necessidades básicas. De facto, a actual conjuntura económica e social de crise, desemprego e endividamento tem gerado um aumento gradual e significativo do número de famílias em situação de fragilidade. E prevalece na opinião pública e de muitos técnicos a ideia de que estas condições se irão agravar no futuro próximo.


A Caritas Diocesana de Coimbra sempre manteve uma atitude muito acolhedora destas problemáticas, e sempre facilitou algum tipo de resposta, quer nos múltiplos serviços que presta aos seus utentes, quer em atendimentos pontuais. Mas na presente conjuntura, a criação do Centro da Apoio Social veio formalizar e institucionalizar um serviço técnico, específico e organizado, que permite uma resposta mais ajustada, eficaz e eficiente no combate aos efeitos da crise na área da nossa diocese, numa perspectiva de complementaridade em relação a outras respostas sociais, nomeadamente as da Segurança Social, sem se substituir às mesmas. É um trabalho em permanente parceria com as diferentes entidades públicas e privadas, evitando a sobreposição e duplicação de respostas.


Para a sua acção, o C.A.S. conta com recursos provindos do fundo social solidário (Conferência Episcopal Portuguesa) e fundo próprio da Cáritas (donativos).


São os desempregados e as famílias endividadas quem mais recorre ao C.A.S., e também muitos reformados com rendimentos muito baixos, normalmente para fazerem face a despesas com habitação, créditos bancários e, nalguns casos, mesmo alimentação. Justifica-se aqui uma palavra de denúncia de algumas entidades que potenciam um fácil acesso ao crédito, mas a juros exorbitantes.  Um dos grandes objectivos do trabalho desta equipa é envolver os indivíduos no seu próprio processo de mudança e estimular as suas capacidades, considerando que muitas das pessoas atendidas tem potencialidades para alterarem a sua situação. A título de curiosidade, muitas das pessoas atendidas manifestam sobretudo uma necessidade muito grande de alguém que as escute e seja capaz de manifestar compreensão pela sua situação, sem julgar os precedentes que levaram à mesma.


Este serviço  encara também vários desafios futuros: desde logo, a necessidade de manter um sistema de angariação de receitas e de promover campanhas de donativos; depois, o regular funcionamento de um Gabinete de psicologia e de aconselhamento jurídico; finalmente, a criação de uma Loja Social e de uma Farmácia Social.


Acompanhe também o fundo social solidário da Conferência Episcopal Portuguesa através do facebook.